Compartilhando a riqueza

Quais de nós que estão melhor financeiramente se sentem culpados? Quando leio sobre desigualdade de renda, pessoas vivendo de salário em salário e coisas assim, ocasionalmente sinto uma pontada de culpa. Mas passa rapidamente.

Doação de riqueza e filantropia


Essa falta de culpa não implica falta de empatia de minha parte ou de outros que foram financeiramente bem-sucedidos. De fato, a riqueza é freqüentemente usada para ajudar os outros.

É justo sentir-se culpado pela riqueza? E sobre transformá-la em herança?

A sociedade tem se beneficiado muito não apenas dos empregos criados pelos Rockefellers, Carnegies, Fords e outros, mas também de sua filantropia. Nos tempos modernos, a fundação Gates e o trabalho de Michael Bloomberg e outros bilionários ajudaram milhões de pessoas.


Mesmo pessoas com rendimentos moderadamente altos dão uma quantia justa à caridade. De acordo com dados do IRS, entre aqueles com renda entre US$ 100.000 e pouco menos de US$ 200.000 que deduziram contribuições de caridade em 2016, o valor médio foi de US$ 4.245.

Riqueza que é merecida honestamente não é nada para se envergonhar: é preciso muito trabalho, anos de disciplina, um pouco de sorte e - o que é mais importante, na minha opinião - consistentemente boas decisões de vida. Mas, sim, essa riqueza também vem com responsabilidade. A riqueza nunca é acumulada sozinha. Eu tive mentores que me ajudaram muito na minha carreira.

Sucesso financeiro


O que conta como sucesso financeiro - e, portanto, quem deve estar em posição de ajudar os outros? Se você ganhar US$ 100.000, você ganha mais de 87% dos americanos. Com $ 250.000, você está acima de 98% dos seus concidadãos. Então nós temos patrimônio líquido. O patrimônio líquido médio das famílias americanas, aquelas no percentil 50, é de US$ 97.300, mas varia muito de acordo com a idade. As idades de 45 a 54 anos têm uma média de US$ 124.200, enquanto as pessoas com 75 anos ou mais têm US$ 264.800. Esses números incluem o valor das casas e a poupança para a aposentadoria.

Uma pesquisa da Charles Schwab descobriu que, para ser considerado rico, as pessoas - em média - acreditam que você precisa de um patrimônio líquido de US$ 2,3 milhões. Por outro lado, muitas pessoas que têm US$ 1 milhão em investimentos não se sentem bem. Alguns dizem que são de classe média.

Essa percepção pode ser impulsionada por onde as pessoas vivem. A casa mediana em Anniston, Alabama, custa US$ 139.900. (Eu morava lá durante meus dias de exército.) Enquanto isso, na minha cidade em Nova Jersey, são uns $ 700.000, então você precisa de um patrimônio líquido muito maior para ser rico em Nova Jersey.

Heranças - tem como sentir-se culpado?


E quanto a heranças? Devemos nos sentir culpados se herdamos riqueza? Mais uma vez, digo “não”. Mas acho que há maior responsabilidade em compartilhar a riqueza sendo que ela nos é dada, em vez de ganhá-la. Ainda assim, os bilhões de heranças herdados por alguns são decididamente a exceção.

Para a grande maioria dos americanos, as heranças não são uma grande fonte de riqueza. Os aposentados esperam deixar uma média de US$ 177 mil para seus herdeiros, com base nos dados de 2013.

Minha esposa e eu herdamos três vezes. A primeira herança foi da minha sogra. A segunda foi de US$ 30.000 da minha mãe, que nós demos aos nossos quatro filhos para ajudar na faculdade. A terceira herança foi de US$ 12.500 de uma tia. Esse dinheiro tornou-se o fundo de emergência pessoal da minha esposa.

Eu acho que é justo dizer que as pessoas que escrevem para o HumbleDollar não são financeiramente medianas. Muitos são profissionais que trabalharam longas carreiras para construir riqueza. Ou um rabugento com 76 anos de experiência de vida para refletir.

Da mesma forma, suspeito que muitos leitores do HumbleDollar não são medianos - e isso é uma vergonha. O que está escrito aqui seria valioso para qualquer pessoa que desejasse administrar sua vida financeira hoje e no futuro.

Acumular riqueza milionária não é algo para se sentir culpado. É um objetivo razoável que beneficia não apenas o indivíduo, mas também a sociedade. Como as pessoas se esforçam para acumular riqueza, elas ajudam a economia a prosperar e compartilham seu sucesso com os outros, tanto através de caridade e através dos impostos que pagam.

Além disso, todo esse esforço sobre a desigualdade me parece mal direcionado, porque faz com que as pessoas se concentrem na coisa errada. O fato é que a verdadeira riqueza não tem nada a ver com dinheiro. Em vez disso, a riqueza é melhor medida pela família, amigos, saúde e uma vida bem vivida - e isso é uma possibilidade para quase todo mundo, não importa o tamanho do seu saldo bancário.

by Humble Dollar


Receba por e-mail as atualizações dos Blogs de Finanças Estrangeiros clicando nesse link


...e, se gostou do texto, compartilhe-o usando o símbolo abaixo

Comentários