28 importantes lições de 2018

Aqui estão algumas lições aprendidas em 2018 (embora muitas dessas idéias tenham se originado em tempos anteriores). Eu compartilhei a maioria, mas não todas, dessas lições no Instagram no ano passado.

1: Seu patrimônio líquido não é o seu valor como ser humano, independentemente se seu patrimônio líquido for baixo ou alto. O dinheiro é o que acumulamos, mas não é quem somos.

2: É ineficiente se preocupar com as pequenas coisas (como o quanto você está gastando com torradas) se você não está cuidando das coisas grandes (como o quanto você gasta em sua casa, carro e comida, especialmente restaurantes.)

Não conserte alguns pequenos vazamentos no teto se uma grande parte do telhado estiver faltando.

28 grandes lições sobre a vida que aprendi e reforcei no último ano.


3: Não tome decisões com base apenas no dinheiro. Isso se aplica tanto a ganhar quanto a  gastar. Por exemplo:

Não escolha uma faculdade ou uma carreira só porque acha que será bem pago. Você está mais propenso a falhar (ou definhar na mediocridade) se você não é apaixonado pelo seu trabalho. Você vai ganhar menos ao longo da sua vida, porque você não vai avançar. É mais provável que você faça uma mudança de carreira na meia-idade, que vem com seus próprios custos, tanto diretos (taxa de matrícula, desemprego) quanto indiretos (anos desperdiçados com trabalho abaixo do ideal).

Fazer a escolha “financeiramente racional” é caro e irracional, porque é insustentável.

Da mesma forma, não aceite um emprego ou estágio apenas porque acha que ficará bem no currículo. Faça isso apenas se você estiver animado. Uma das melhores decisões da minha vida foi recusar uma oferta de emprego que todos à minha volta dissesse que "pareceria bom" e "seria um grande passo".

Aqui está um teste decisivo: se você fosse proibido de listar esse emprego em seu currículo, você ainda aceitaria?

Este princípio se estende para além das escolhas de carreira. Por exemplo:


  • Não se mude para uma cidade, cidade ou país apenas porque o custo de vida é barato (e por nenhuma outra razão além disso).
  • Não fique em um relacionamento só porque se mudar e recomeçar sua vida será caro.
  • Não compre uma casa que você não gosta, só porque é barata.
  • Não faça uma dieta comlixos, só porque é mais barato do que veggies.

Você está buscando viver uma vida sustentável, saudável e completa, e não apenas melhorar seu patrimônio líquido. Quaisquer ganhos de poupança ou investimento advindos da negligência do quadro geral e da escolha de uma racionalidade à-lá Spock, provavelmente se apagam quando o seu coração não acompanha a mente.

Se seu coração não está nisso, não vai dar certo. E isso acabará por custar mais a longo prazo, tanto financeiramente como pela forma como desgasta o seu espírito.

O dinheiro que cobra de você o seu custo é muito caro.

4: Se você tem que se convencer de algo, seu coração não está nessa ideia.

Aqui está um teste efetivo: quando outras pessoas perguntam “Por que você escolheu [X]?”, você é afetado pela pergunta? Você se apressa em defender sua escolha? Se sim, então você pode estar tentando se convencer.

5: Seus pontos cegos são maiores do que você imagina.

Quando você olha para trás, eles serão óbvios. Mas não importa o quão duro você tente gerenciar e otimizar tudo, você está olhando para algo maior. Você está fazendo isso agora. Nós todos estamos. Permaneça humilde, não faça suposições sobre as motivações de outras pessoas ou comportamentos futuros, e proteja seu lado negativo.

6: Seu instinto é mais sábio do que você imagina.

Você está criando o seu Eu Futuro para criar coisas incríveis, e você está fazendo isso de formas que você nem percebe. Apesar de todo o seu planejamento e dos melhores esforços, você no futuro vai olhar para trás e dizer: “Estou muito feliz por ter feito isso” sobre decisões que, neste momento, você acha casual ou inconsequente. Não importa o quanto tentemos planejar o futuro, algumas de nossas melhores decisões são tomadas por intuição ou acidente.

7: A maioria das pessoas não vai entender. E você não precisa da aprovação deles, mesmo que sejam seu chefe ou sua família. (Desculpe-me, eu quis dizer “especialmente se”.) Se você está vivendo dentro de sua integridade, e outras pessoas não gostam disso, isso não é problema seu.

8: Você pode adiar a gratificação, mas não pode adiar a felicidade. Ou pelo menos você não deveria.

É tentador pensar que você será feliz depois - depois que você começar a ganhar mais, depois de deixar o emprego, depois de poder viver com sua renda de investimento passiva. Mas a felicidade não pode ser adiada.

Não exagere no futuro. Claro, as metas são ótimas, mas se você é muito orientado por metas, corre o risco de perder o momento presente. Você vive para a próxima conquista.

Planeje para o futuro, não viva nele.

9: Nós não compramos coisas. Nós compramos histórias.

Nós não (apenas) compramos roupas. Compramos a história e a identidade que as roupas representam. Compramos a história de que somos profissionais, modernos, hippies ou grunge.

Nós não (apenas) compramos comida. Compramos a história e a identidade que a comida representa. Compramos a história de que somos limpos e saudáveis, ou um gourmet, um comedor ético que adora animais, ou um orgulhoso viciado em junk food.

Nós não (apenas) compramos maquiagem. Nós compramos a história e a sensação de que somos lindos.

Nós não (apenas) compramos o transporte. Nós compramos a história que somos ecologicamente corretos, ou frugais, ou ricos e luxuosos.

Toda vez que fazemos uma compra, estamos comprando uma história, identidade e sentimento. Da próxima vez que estiver pensando em comprar alguma coisa, pergunte-se: “Eu realmente quero essa coisa? Ou eu quero a história que ela me conta sobre mim mesmo? ”Então pergunte:“ Posso pegar essa história sem comprar este item? ”

10: O autocuidado é um cuidado também nos negócios.

O tempo que você gasta indo ao ginásio, praticando yoga, escrevendo em seu diário, ou conectando-se com um amigo próximo no telefone não é apenas um tempo gasto fora do trabalho ou enrolação.

O autocuidado faz parte do seu trabalho. Isso sustenta sua agitação. Até mesmo os laptops precisam recarregar-se.

11: Cuide do presente e o futuro cuidará de si mesmo.

Isso significa:


  • Exercício. Comida saudável. Sono. Hidratação. Usar protetor solar.
  • Economize para emergências.
  • Maximize suas contribuições para a aposentadoria.
  • Lentamente adicione ativos à sua carteira de investimentos (por exemplo, compre uma propriedade alugada a cada dois anos).
  • Comece um negócio secundário.
  • Seja voluntário e / ou doe para causas dignas.
  • Gaste tempo de qualidade com a família e amigos.

Fique alinhado e correto hoje, e amanhã poderá cuidar de si mesmo.

12: Não adie a felicidade. Descubra a felicidade.

Claro, eu poderia comprar uma BMW, mas eu não iria gostar disso. Não sou eu. Eu não estou "fazendo um sacrifício" dirigindo um carro usado mais antigo. Eu prefiro carros usados.

Não adie a felicidade. Descubra a  felicidade dentro da escolha saudável e ideal.

13: Esqueça os resultados. O objetivo deve ser a ação em si.

Em vez de: "Meu objetivo é perder dois quilos por mês", tente: "Meu objetivo é abusar dos vegetais, evitar os açúcares processados ​​e levantar pesos todos os dias."

Se o seu objetivo é baseado em resultados (perder 8 kg), você experimentará um tempo de atraso desmoralizante entre "ações" e "resultados". Mas se o seu objetivo é baseado na ação em si, as ações tem por consequência os resultados: "Eu cozinhei vegetais, sucesso!" Ou "Eu levantei pesos hoje!"

Em vez de: “Meu objetivo é começar um negócio paralelo que gere US$ 3.000 por mês”, tente: “Meu objetivo é trabalhar num negócio alternativo das 19h às 22h todos os dias da semana”.

Se você se concentrar em ações, ao invés de resultados, você reduzirá seu medo do fracasso e a procrastinação que ele cria. O medo do fracasso é aterrorizante, em parte, porque é um medo de algo que está fora do seu controle. Você não pode controlar o resultado, você só pode controlar seus esforços. Então, deixe de lado o resultado. Concentre-se nos esforços. Deixe as consequências se desenrolarem como puderem.

14: Não é sobre o que você quer. É sobre o que você está disposto a sacrificar.

Eu quero abdominais "tanquinhos"! Mas não estou disposto a fazer os sacrifícios necessários para criá-los.

É fácil listar metas, aspirações e desejos. Mas isso não é revelador. A questão mais presciente é: que dor você está disposto a suportar? Que sacrifícios você está disposto a fazer? Quais trocas você adotará?

Minha amiga Sheila (não é seu nome real) é autônoma e detém US$ 50.000 em dívidas de cartão de crédito. Ela diz que quer pagar. E com certeza, acredito que ela quer  isso.

Mas ela gasta em itens frívolos. Ela comprou um pacote mensal em um salão, onde recebe ceras e pedicures regularmente, porque “foi um bom negócio!” Ela está alugando um veículo novinho em folha. ⠀

Embora seja autônoma, não está tentando encontrar mais clientes. Ela trabalha de 4 a 5 horas por dia. Ela ganha o suficiente para pagar suas contas e fazer os pagamentos mínimos em seu cartão de crédito, mas não mais.

Ela não fez um esforço em pagar sua dívida, além dos pagamentos mínimos, no ano passado.

Não estou surpresa.

Eu acredito que ela quer pagar sua dívida. Quem não iria? Mas ela não quer aceitar as trocas que precisa fazer. Ela não está disposta a trabalhar mais do que 4-5 horas por dia, ou a sacrificar seus retiros de spa, ou a rebaixar seu veículo.

É óbvio que ela não está fazendo progresso.

A questão não é "o que você quer?"
A questão é: "que escolhas você está disposto a fazer?"

15: Pare de dizer aos jovens para "aproveitar agora enquanto você ainda pode!"

Minha amiga Kim e eu viajamos para a Europa juntos há 10 anos. Na época, eu temia que essa fosse nossa última viagem.

Eu tinha medo de que, depois da nossa excursão pela Europa, voltássemos ao batente e ficássemos presos em empregos com horários padrões, o que nos limitaria a duas ou três semanas de férias por ano.

Eu temia que trocássemos nossa liberdade por hipotecas, carros, porões cheios de coisas.

Dez anos atrás, os “adultos” nos disseram que deveríamos viajar agora, enquanto ainda podíamos. A implicação deles foi que, quando chegássemos ao final dos 20 ou 30 anos, essa janela estaria fechada. Nós sucumbiríamos a hipotecas, empregos e restrições.

"Aproveite agora, enquanto você ainda pode!", disseram eles.

Felizmente, eles estavam errados.

Eu construí renda passiva através de investimento imobiliário. E Kim economiza 50% de sua renda como bombeira na cidade de Austin, o que lhe dá flexibilidade para deixar o emprego. Ela não é financeiramente livre ainda, mas ela está no caminho.

Este é o poder de administrar seu dinheiro, em vez de deixar ele gerenciá-lo.

Nós não somos incomuns também. Em toda a blogosfera, existem milhares de exemplos de pessoas que viajam em tempo integral com crianças, cães ou enquanto lidam com doenças e obstáculos. Algumas pessoas trabalham a vida fazendo shows, outras são financeiramente independentes, outras são empreendedoras pela internet. Alguns são todos os itens acima.

Alguns viajantes estão educando seus filhos em estradas, transformando sua vida dentro de inúmeras viagens. Alguns estão criando novos negócios a partir de espaços de trabalho compartilhado na Tailândia e na Colômbia. Alguns viajam por um ano, outros por toda a vida.

Há uma diferença entre "eu não posso" versus "não é uma prioridade", e os adultos que nos aconselharam há uma década que "não poderíamos" viajar e explorar quando éramos mais velhos devem ter perdido esse fato básico. Aventura pode não ter sido uma prioridade para eles, o que está ok, mas eles foram negligentes em aconselhar os jovens que a sua falta de prioridade se traduz em incapacidade de alguém.

A frase “aproveite agora enquanto você ainda pode!” implica um futuro sombrio e chato. (Idem para a frase "seus anos de faculdade são os melhores anos de sua vida." Sério? Os próximos 60 anos de sua vida são tão ruins assim? Isso é horrível!)

Vamos largar essa ideia. O futuro pode ser mais brilhante que o passado e cada um de nós tem o poder de fazê-lo.

16: Você tem sucesso no mesmo nível da sua preparação.

Para citar James Clear : “Você não alcança o nível de seus objetivos. Você cai no nível de seus hábitos.

17: Cuidado com o prazer à custa da felicidade.

Imagine que você tem uma barra gigante de chocolate ao leite. Você come a coisa toda de uma vez. Isso é prazer Mas isso não lhe trará felicidade duradoura.

Felicidade é a longo prazo. O prazer é a curto prazo. Não troque dólares por moedas de um centavo.

18: A felicidade vem de criar o progresso.

Nada de beber demais na praia. Nada de carros extravagantes. Nada de baldes de sorvete. A felicidade vem de passar um dia progredindo em algo que você acha significativo.

Eu tenho uma amiga que me provoca muito sobre o trabalho. Ela manda uma mensagem às 21h de uma segunda-feira para dizer: “Ei, eu estou na sua vizinhança! Venha tomar uma bebida! ”E eu fico tipo:“ São 21h da segunda-feira! ”

Ela também é autônoma e nunca deixa de apontar que eu não preciso trabalhar no dia seguinte. E é verdade. Então ela aponta que eu não preciso do dinheiro. Também é verdade. Então ela pergunta por que eu estou sendo tão quadrada e aplaude a si mesma por ter escapado da corrida dos ratos. O que é falso: ela tem US$ 75.000 em dívidas de cartão de crédito e não está preparada para a aposentadoria. Mas, enfim...

Aqui estão duas coisas que ela não entende: (1) eu acho mais feliz trabalhar e progredir do que em sentar em um banquinho de bar na segunda-feira à noite, e (2) estou priorizando qualquer coisa produtiva, que poderia incluir leitura um livro, assistindo a um vídeo educativo, trocando o filtro de osmose reversa embaixo da pia da minha cozinha, fazendo pesto fresco do zero, criando uma lista do Spotify para o próximo treino ou organizando uma enorme pilha de correspondência.

Produtividade e progresso - em qualquer área da vida, não apenas na produção de renda - é uma verdadeira fonte de significado e felicidade. Sim, a socialização é importante e nutritiva, mas isso não significa que eu precise dizer sim a todos os convites ou sair nas noites de segunda-feira (ou nas noites de sexta-feira). A conexão humana é valiosa, mas se uma atividade não é mais significativa, ela perde seu valor.

19: O desperdício é o oposto do valor.

20: A saúde empresarial e financeira é uma reflexão - uma conseqüência - da saúde geral, especialmente da saúde do cérebro. Tudo começa com um cérebro e uma mente saudáveis. Essa é a base de todo sucesso, tanto físico quanto financeiro.

21: O conceito de “gratificação tardia” se aplica tanto a gastos quanto a ganhos. A maioria das pessoas só conhece esse conceito no contexto de gastos. Eles associam 'gratificação posterior' ao adiar uma compra do consumidor. Mas a gratificação posterior, quando aplicada ao lado da renda da equação, é também o conceito por trás do empreendedorismo, investindo e construindo renda passiva.

(Dito isso, deixo claro que o empreendedorismo e o investimento são intrinsecamente gratificantes.)

22: Viva no limite da sua zona de conforto.

Se você está muito aninhado dentro de sua zona de conforto, você não vai se empurrar para fora os seus próprios limites; você limitará seu progresso. E se você estiver muito longe de sua zona de conforto, sua vida será um poço de ansiedade, preocupação e estresse até que você dê uma guinada novamente de volta para dentro.

Viver no limite de sua zona de conforto pode significar cortar despesas até que você esteja vivendo um pouco mais frugalmente do que se sente confortável.


  • Isso pode significar acordar mais cedo do que você prefere para trabalhar em seu negócio próprio.
  • Pode significar superar o medo de conhecer pessoas em eventos, investir em treinamento e educação, elevar seus preços freelancer ou pedir um aumento.
  • Pode significar deixar o emprego quando for a hora certa, mesmo que isso o deixe ansioso.
  • Pode significar viajar para um país estrangeiro, incluindo viagens individuais.
  • Pode significar todos os itens acima. Ou pode significar algo totalmente diferente.


23: Foco no valor, não no custo.

Uma década atrás, eu descartava pequenas indulgências, como flores ou velas, como um desperdício de dinheiro. Eu via isso como drenos de dinheiro. Hoje em dia, vejo valor em vez de custo. Isso me faz sorrir? Isso ilumina meu dia?

Vou calcular se horas da minha vida poderiam valer a pena se eu entrasse nessa compra. E muitas vezes, a resposta é sim, é absolutamente.

Eu estou disposto a trabalhar uma hora extra - ou se estivermos usando uma fórmula de independência financeira, eu trabalharia um ano a mais - se isso significa que eu ainda posso desfrutar de X, Y e Z. Isso vale a pena.

Há uma ótima citação de Oscar Wilde em que ele diz que “um cínico é um homem que sabe o preço de tudo, menos o valor de nada”.

Não deixe a frugalidade se transformar em cinismo. O valor é mais importante que o custo.

24: Um dos meus melhores amigos me escreveu uma carta no início deste ano e me fez estas quatro perguntas:

a: O que você tem (habilidades, capacidades, posses) que pode algum dia mudar ou desaparecer? Tire um momento para apreciá-las e aceite que um dia elas acabarão.

b: Que atos de gentileza você fez de que mais se orgulha? Tire um momento para experimentar a alegria que vem dessas memórias.

c: Que experiências você teve com quem você ama? Elas são suas, não importa o quê, e nunca podem ser tiradas de você.

d: Quem são as pessoas mais importantes da sua vida? Quão recentemente você contou isso a elas?

As respostas a essas perguntas revelam mais sobre sua vida do que qualquer planilha, qualquer estratégia de otimização de impostos, qualquer debate de investimento jamais poderia. Esta é a vida. O resto é barulho.

25: Aprender a aprender, pensar em como pensar e decidir como decidir são as habilidades mais importantes de todas. (É também a missão secreta deste blog e podcast - ensinar as pessoas, inclusive eu, a melhorar a habilidade de pensar.)

26: “Chamar algo de 'trabalho' não o torna mais nobre do tempo do que qualquer outra coisa. O trabalho que não o leva para a vida que deseja é um desperdício de tempo. Você nunca vai conseguir essas horas de volta, e nós não temos tantas delas.

Esta é uma citação de Laura Vanderkam (uma convidada de podcast duas vezes), e resume uma grande parte da minha filosofia de vida.

Mas como chamar algo de “trabalho” não necessariamente torna mais nobre, chamar algo de “lazer” não necessariamente o torna superior ou inferior ao trabalho. Há um lazer significativo e, no limite há perda de tempo. Olhe dentro de si para saber a diferença.

27: A vida ensina as mesmas lições, repetidamente, até que você as aprenda.

28: Nós damos o conselho que mais precisamos ouvir. Tudo o que estou dizendo, estou lhe dizendo, porque eu também preciso do lembrete.

by Paula Pant, Afford Anything



Receba por e-mail as atualizações dos Blogs de Finanças Estrangeiros clicando nesse link


...e, se gostou do texto, compartilhe-o usando o símbolo abaixo

Comentários