17 lições para melhorar suas finanças e sua vida

Aprendi uma tonelada durante a última década, graças à leituras, entrevistas e ao grande número de tentativas e erros. Eu detalhei muitas dessas lições no post de hoje.

Aqui estão 17 lições que podem melhorar suas finanças e sua vida.


# 1: O dinheiro não pode fazer você feliz, mas a falta de dinheiro pode fazer você infeliz


Pessoas dizem: "o dinheiro não pode fazer você feliz". Mas isso é falso.

Os pesquisadores examinaram a ligação entre dinheiro e felicidade - e adivinha? O dinheiro pode te fazer feliz, até certo ponto. Vários estudos encontraram uma correlação significativa entre dinheiro e felicidade entre pessoas de baixa e média renda.

Mais dinheiro significa mais felicidade até certo nível. Isso não é surpreendente. Se você costumava ganhar US$ 30.000 por ano e agora ganha US$ 50.000, esse dinheiro adicional causa um grande impacto. Não há algum problema nisso.

Entretanto, quanto mais rico uma casa se torna, mais esse efeito diminui. Cada dólar adicional na renda familiar produz um menor incremento na felicidade.

Qual é o ponto de inflexão? Isso está em debate. Um estudo famoso diz que há uma enorme correlação entre dinheiro e felicidade até os primeiros US$ 75.000 de renda familiar, que seria o platô. Outros estudos afirmam que os ganhos marginais começam a cair entre US$ 80.000 e US$ 100.000, enquanto outros estudos colocam o número mais próximo de US$ 160.000.

É claro que “o suficiente” depende do tamanho e da localização da sua família. Ganhar $ 100.000 como uma pessoa solteira em Des Moines é diferente de $ 100.000 para uma família de seis pessoas em São Francisco. É simplista demais discutir os dólares no vácuo.

Mas a vantagem é que, embora o dinheiro não possa fazer você feliz, a falta de dinheiro pode deixá-lo infeliz.

PS - Você conhece o clichê, "Eu prefiro ser feliz do que rico?" Isso é bobagem. O efeito é positivo ou neutro. Não há pesquisa que mostre uma correlação inversa.

# 2: Experiências nos tornam mais felizes que possuir "coisas"


Cerca de uma década atrás, o professor de psicologia e neurociência da University of Colorado, Dr. Leaf van Boven, decidiu revelar a chave da felicidade.

Ele pesquisou centenas de pessoas sobre compras recentes, classificando-as como "experienciais" ou "materiais". Depois, ele perguntou sobre seus níveis de felicidade auto-relatados.

Você consegue adivinhar os resultados?

Se você quer ser feliz, gaste dinheiro em experiências, não em coisas.

Aqui está uma frase do relatório do Dr. van Boven :

“Pesquisas preliminares sugerem três razões pelas quais as compras experienciais tornam as pessoas mais felizes do que as compras materiais: (a) experiências mais abertas à reinterpretação positiva, (b) experiências são menos propensas a comparações desvantajosas e (c) experiências têm maior probabilidade de promover relacionamentos”.

Aqui está o que ele está dizendo:

Primeiro, as experiências estão sujeitas ao viés da nostalgia. As memórias são mais empolgantes ao longo do tempo. Quando olhamos para aquela viagem à Disney World, não nos lembramos das longas filas, das crianças agitadas ou do sorvete caído. Lembramos as coisas boas, como os sorrisos nos rostos dos nossos filhos quando eles conheceram seus personagens favoritos.

Objetos, por outro lado, depreciam com o tempo. Eles se desgastam, quebram e a felicidade que sentimos deles desaparece. Ficamos mais felizes olhando para uma compra (antecipação) do que a própria compra (adaptação hedônica). Quando tivermos o item, a garantia de já possuí-lo, anula a  maior felicidade.

Em segundo lugar, as experiências têm menos de um efeito “possuir mais do que seus vizinhos”. As férias incríveis do seu vizinho na Costa Rica não tornaram sua viagem épica pela Argentina menos memorável. (Embora esses dias, o efeito do Instagram possa atrapalhar sua convicção.)

Em terceiro lugar, as experiências ajudam as pessoas a se relacionarem com amigos e familiares. E o efeito de felicidade desses relacionamentos é direto.

# 3: Nunca atrase sua gratificação


Eu sei, eu sei. Isso parece contra-intuitivo.

A administração do dinheiro não deveria ser a prática de retardar a gratificação? Não deveríamos ter um “direito” agora por causa de um futuro incrível?

Não.

Aqui está uma mudança de estrutura: não adie sua gratificação: reformule-a. Encontre a gratificação em investir em fundos indexados, compra de imóveis para locação, e veja seu patrimônio crescer.

Encontre gratificação em refeições caseiras, dirigindo um carro usado de confiança e não sofrendo lavagem cerebral em rótulos sofisticados. Encontre gratificação no fato de que você pode passar a sua terça-feira fazendo algo aleatório por um capricho, porque você projetou sua vida de forma simples.

Atrasar gratificação? Você está brincando comigo? Quando eu construo um patrimônio com meus dividendos, sinto-me incrível. Quando eu verifico o meu patrimônio líquido e vejo os resultados do que construí, fico profundamente satisfeito - muito mais do que me sentiria se comprasse algumas peças extras de plástico.

# 4: conheça o seu número do "Millionaire Next Door"


Você passou no teste Millionaire Next Door (N.T: O milionário mora ao lado")?

O livro The Millionaire Next Door explica como calcular se você é um prodigioso acumulador de riqueza (PAW) ou um sub acumulador de riqueza (UAW). A fórmula é:

Sua idade x sua renda anual antes de impostos ÷ 10 = seu patrimônio líquido

Digamos que você tenha 35 anos e ganhe US$ 70.000 por ano. Você multiplicaria 35 vezes $ 70.000 e dividiria esse número por 10, para um patrimônio líquido de $ 245.000. Se o seu patrimônio líquido é maior do que isso, você é um prodigioso acumulador de riqueza. Se é menor, você é um sub acumulador.

Se você é um casal com finanças na média, pegue sua idade média e multiplique-a pelo seu rendimento anual antes do imposto.

Se você está em seus 30 anos ou mais, refaça esse número uma vez por ano.

Aqui está o problema: se você está em seus 20 anos, esta fórmula não se aplica a você ainda.

Se você tem 25 anos e ganha US$ 70.000 por ano, por exemplo, essa fórmula afirmaria que seu patrimônio líquido deveria ser de US$ 175.000. Massss… Isso não faz sentido. Se você tiver 25 anos, esse só poderá ser seu primeiro ou segundo ano de trabalho assalariado em período integral.

Ignore esta fórmula até ter atingido os seus 30 anos. Uma vez que você está no mercado de trabalho há uma década, comece a processar seu número The Millionaire Next Door.

# 5: quanto menos você tentar, melhor


Na maioria das profissões, trabalhar duro é obter melhores resultados. Mas quando se trata de investir, quanto menos você tentar, melhor.

Vemos isso no investimento em fundos de índices. A negociação freqüente e o microgerenciamento geralmente produzem resultados piores do que uma abordagem de compra e manutenções definidas e raras.

Também vemos isso no setor imobiliário. Trocar de propriedades é trabalhoso e carrega um prêmio de risco adicional. Uma estratégia buy-and-hold exige que você antecipe a carga de trabalho e aproveite os resultados nas próximas décadas. A abordagem passiva cria um fluxo de renda recorrente de longo prazo. Vitória dupla!

Um portfólio simples pode ser seu melhor amigo.

# 6: simplifique tudo


Encontre a maneira mais simples de fazer o que você está fazendo. Por exemplo:

Investimento em fundos de índices:
Você poderia gastar horas e horas fazendo micro-ajustes na sua alocação de ativos, mas por que se incomodar? Escolha uma alocação com a qual você esteja feliz e siga em frente.

Investimento Imobiliário:
Você poderia cair no buraco do coelho de todas as possibilidades disponíveis: aluguéis, lançamentos, atacado, fiança, residenciais, comerciais, escritórios, armazéns, parques móveis ...

Não!

Não tente tudo. Escolha um nicho e uma estratégia. Concentre-se lá. Deixe o barco navegar.

Meu nicho são propriedades residenciais, e minha estratégia é comprar e manter. Isso não é porque eu acredito que é "melhor", é porque eu estou simplificando. Estou escolhendo um estilo de investimento, mergulho em um esforço para criar maestria e manter o foco.

Fluxo de caixa:
Não se preocupe em criar uma planilha detalhada de itens com mais de uma dúzia de categorias que gerenciam seu orçamento com detalhes excruciantes. Isso é desnecessariamente complicado. Além disso, quanto tempo você realmente vai ficar com isso? Você acha que em cinco meses ficará motivado o suficiente para registrar todos os itens da mercearia?

Atenha-se ao anti-orçamento: tire suas economias do topo, erelaxe com o resto. Escolha qualquer taxa de poupança que você quiser - 10%, 30%, 50%, e mantenha-se nela. Transfira isso para economias a cada mês. Viva bem com seu tempo restante.

Você não precisa criar um orçamento hiper-detalhado. Esses orçamentos introduzem complexidade ao sistema, e quanto mais complexo o sistema, maior a probabilidade de o sistema falhar.

Vida de trabalho:
Encontre a solução 80/20 para cada projeto. Quais atividades lhe dão maior retorno sobre seu tempo, energia e atenção?

Pergunte a si mesmo: “qual é a ÚNICA coisa que posso fazer [pela minha saúde, dinheiro, relacionamentos, etc.] de tal forma que, ao fazê-lo, todo o resto se torna mais fácil ou desnecessário?”

Exercícios:
Não preciso aprender 40 tipos diferentes de exercícios. Eu preciso saber como fazer supino, levantamento terra, agachamentos, remo, algo aeróbico e alguns alongamentos. Meus treinos não precisam ser mais complicados do que isso. Encontre uma rotina que funcione para você e ignore o desejo de síndrome do brilhantismo quando se trata da última moda de treinos.

Simplificar não é sobre privação: trata-se de maximizar o seu prazer com escolhas efetivas.

# 7: Faxina

Mantenha poucas coisas, somente as melhores.

No ano passado, entrevistei Jean Chatzky, editora financeira do Today Show, no podcast. Durante nossa entrevista, ela me disse que só compra itens que ela precisava de fato.

Espere o que? Ela só compra itens que precisava?

Sim.

Ela percebeu que quando ela viu uma venda, ela pegava coisas “extras” - itens que ela não precisava, ou que ela comprava impulsivamente - simplesmente porque eles estavam à venda.

"Eu não estava pensando em comprar uma vela, mas está à venda por US$ 5 ..."
"Eu não preciso dessa mesa, mas está no Craigslist por US$ 15 ..."
Ao comprar apenas itens a preço cheio, ela possui menos coisas, mas melhores. Sua casa é menos confusa, porque ela pensou mais em cada compra.

Lição:

Uma venda da Craigslist ainda é uma venda.
Uma venda de loja de thrift ainda é uma venda.
Uma venda é uma venda é uma venda.
Quando você limpa o armário, a garagem ou o sótão, a pergunta a ser feita não é “do que devo me livrar?”, Mas sim: “O que devo guardar? O que é tão incrível que não consigo imaginar me livrar disso?

Se um item não atende a esse alto padrão, por que você o tem por perto? Por que se cercar de itens medíocres?

Uma vez que você tenha curado seus pertences pessoais para as poucas coisas mais importantes, você descobrirá que seu desejo de gastar e acumular cairá.

# 8: Não use seu tempo com bobagens: faça a coisa certa


Aqui está um segredo bem conhecido sobre sites de cupons e ofertas:

Esses proprietários de sites são bem sucedidos empresários de seis e sete dígitos. Eles estão promovendo a gestão do dinheiro através de vendas de liquidação de compras, mas suas próprias finanças são alimentadas pela receita, ao invés de perseguir o negócio.

Claro, eles podem usar um cupom de US$ 3 em um pacote de frango congelado para que eles possam se relacionar com o conteúdo que estão lançando. Mas no mesmo dia, eles podem ganhar US$ 1.000 em receita bruta diária com o mesmo artigo.

“Se você se concentra em atividades de baixo impacto, você está tirando o tempo que poderia gastar em atividades de maior impacto”, diz o autor do best-seller e convidado de podcast Cal Newport . "É um jogo de soma zero."

Você tem tempo para qualquer coisa; você não tem tempo para tudo. Cada hora que você gasta no X é uma hora que você não está gastando em Y.

Se o seu banheiro precisa ser reformado e você decide fazer isso, são muitas horas que você não está na acdemia.
Se você juntar cupons para economizar US$ 12 por semana em mantimentos, isso é uma hora que você não está usando para desenvolver um negócio paralelo.
O que mais importa?

# 9: Trabalhe com sua natureza, não contra ela


Um par de anos atrás, decidi que queria largar a grande maioria dos meus clientes de consultoria e freelancers. Eu não precisava do dinheiro. Eu tinha ganho independência financeira e queria gastar meu tempo viajando, escrevendo e criando podcasts.

No entanto, senti relutância em cortar o vínculo.

"Se eu fosse mais disciplinado, poderia fazer as duas coisas", disse a mim mesmo. “Se eu estivesse focado, eu poderia manter o meu freelance / consultoria de clientes enquanto também iria ao ginásio,
cozinharia, viajaria, teria minhas leituras e escritas e faria os podcasts, abrindo espaço para uma vida social.”

Eu daria uma olhada honesta no meu tempo (inclusive rastreando-o em intervalos de 15 minutos) e eu veria quanto tempo eu desperdicei. Quinze minutos aqui; 20 minutos lá.

"Se eu não perdesse tanto tempo", disse a mim mesmo, "eu poderia fazer tudo".

E então eu fiquei louco tentando.

Porque você sabe o que? Eu não sou mais disciplinado. Eu não estou mais focado. Eu sou capaz de uma certa quantidade de horas diárias, e é isso. Minha missão não é aumentar minha produção, é otimizar o que acontece durante essas horas.

Eventualmente, admiti para mim mesmo: “Não posso fazer tudo. Se eu quero levar o tipo de estilo de vida que desejo, então algo tem que ficar de fora”.

Foi quando larguei meus clientes e vivi feliz para sempre.

Você diz a si mesmo: "Eu seria [X] (mais feliz, mais bem-sucedida, mais em forma) ... se tivesse mais força de vontade" ou "... se ao menos eu fosse mais disciplinado?"

E você sabe? Você é quem você é. Encontre maneiras de trabalhar com sua natureza em vez de lutar constantemente contra ela.

# 10: Concentre-se nos hábitos, não na força de vontade


Quando acordo, imediatamente bebo um copo de água. Isso não é um ato de força de vontade ou disciplina. É porque eu criei um hábito.

"A força de vontade não é apenas uma habilidade, é um músculo, como os músculos de seus braços ou pernas", diz Charles Duhigg, autor do livro fantástico "O Poder do Hábito". "E fica cansado, pois trabalha mais, então há menos tempo sobrando para outras coisas."

Se você confiar na força de vontade, acabará se cansando e desistindo. Mas se você se concentrar em formar hábitos, a força de vontade não entra na equação.

Veja como transformar qualquer coisa em um hábito:


  1. Encontre uma sugestão ou gatilho.
  2. Tome uma ação.
  3. Receba uma recompensa.


Minha sugestão ou gatilho é o despertar. A ação é beber um copo de água. A recompensa é a sensação instantânea de hidratação.

Aqui está a parte que a maioria das pessoas erra: a ação deve ser sua própria recompensa.

A maioria das pessoas tenta montar um sistema no qual elas têm uma dica (eu termino meu dia de trabalho), eles fazem uma ação (eu levanto pesos), e eles recebem uma recompensa desvinculada (eu me permito beber um copo de vinho quando em casa).

A autora Gretchen Rubin descobriu que as recompensas desvinculadas são contraproducentes, porque você começa a ver uma atividade como um meio para um fim. Se você se recompensar com um muffin de mirtilo toda vez que for correr, seu cérebro começa a pensar: "Ok, se eu sair correndo, posso comer esse bolinho de mirtilo".

Você não está aprendendo a gostar de correr por si só. Você está apenas aprendendo a lidar com a corrida para chegar àquele bolinho.

A abordagem mais eficaz, descobriu Rubin, é encontrar as recompensas inerentes à corrida, como o “sensação de gozo” que você sente imediatamente depois. Concentre-se nisso como sua própria recompensa.

Se você deve se dar uma recompensa externa, ela recomenda, escolha algo que promova a atividade de correr - como um novo par de tênis de corrida, ou uma jaqueta de chuva melhor para os dias em que você está correndo durante um chuvisco.

# 11: risco = probabilidade x magnitude


"Quão arriscado é isso?"

Eu defino o conceito de “risco” como a probabilidade de que algo possa acontecer, multiplicado pela magnitude ou impacto de sua consequência.

17 lições que podem melhorar suas finanças e sua vida

Há uma baixa probabilidade de eu ser cortado por um papel hoje. E se eu fizer, o impacto do corte na minha vida será próximo de zero. Portanto, o risco de manusear um papel é baixo.

Há uma grande probabilidade de eu ficar preso no trânsito pelo menos uma vez este mês. Mas é improvável que o impacto de alguns minutos extras no tráfego tenha um grande efeito em minha vida. Portanto, ficar preso no tráfego é uma atividade de baixo risco, embora haja uma grande chance de ocorrência.

Há uma baixa probabilidade de ser diagnosticado com câncer, mas, se for, o impacto na minha vida seria tremendo. Portanto, esta é uma situação de alto risco.

Há uma grande probabilidade de eu experimentar uma tragédia durante a minha vida. E vai ser destruidor. Esta é também uma situação de alto risco.

Prepare (e assegure) contra as situações que são arriscadas. Não se estresse com os que não são.

Essa estrutura (risco = probabilidade x magnitude) pode ajudá-lo a tomar decisões mais inteligentes. Você deveria sair do seu trabalho? Quais taxas você deve citar para um cliente? Quanto você deve oferecer nas negociações?

Pergunte a si mesmo qual é o pior que pode acontecer. Muitas vezes, quando você começa a pensar no pior cenário, percebe que não é tão ruim assim. Muitas das coisas que nos assustam são possíveis de sobreviver.

# 12: Valor = Impacto x Alcance


O valor que seu trabalho / empresa cria é o impacto que você tem sobre os outros, multiplicado pelo seu alcance.

Se qualquer variável (impacto ou alcance) for alta, seu trabalho terá um valor alto, mesmo que a outra variável seja baixa.

Um cirurgião traumatizante tem grande impacto na vida de outras pessoas, mas concentra esse impacto em um número relativamente pequeno de pessoas (cada paciente recebe atenção individual). Ela afeta milhares de pessoas, mas não milhões. Seu impacto é ultra-alto, então o valor de seu trabalho é alto.

Em comparação, a Coca-Cola ou a Pepsi causam um pequeno impacto na vida das pessoas. Nós gostamos de uma bebida com cafeína efervescente. Mas eles atingem bilhões de pessoas e, como resultado, seu valor é alto.

# 13: Conseguir Ser Através do Fazer


A melhor cura para o bloqueio do escritor é começar a escrever. A melhor cura para não querer se exercitar é começar a se mexer. Você não precisa sentir vontade de fazer algo antes de fazer isso.

Aja primeiro e o sentimento se seguirá.

Pensamento, comportamento e emoção estão inter-relacionados. Ao mudar seu comportamento, você pode influenciar seus pensamentos e emoções.

Thoughts Actions Feelings - Achieve being through doing

# 14: Quando você não está no trabalho, não trabalhe


Aqui está algo para se adotar:

Eu vou a uma festa, ou encontro um estranho em um Uber compartilhado, ou começo a conversar com alguém em um festival. Eles se abrem com a pergunta: "O que você faz?"

Adivinha onde isso leva a conversa? Sim. Nós começamos a falar sobre o trabalho.

Eu respondo que sou um podcaster, eles fazem perguntas na sequência (como "que tópico você cobre?" Ou "como você ganha dinheiro podcasting?" Ou "como você conseguiu isso?"), e logo a conversa começa a ir para o lado "o que você vai prestar?" no ensino médio.

Essa é uma das muitas maneiras pelas quais as pessoas ficam “no trabalho” mesmo quando não estão no trabalho.

O trabalho não é tudo. Quando você não está no trabalho, não pense e fale constantemente sobre o trabalho. Você não está lá, então não esteja lá.

Esta é a arte de estar presente.

A propósito, eu comecei um novo jogo. Se alguém perguntar: "O que você faz?", Respondo: "Ótima pergunta! Ok, aqui está um jogo. Vou listar três carreiras diferentes e você tem que adivinhar.

E isso leva à próxima lição ...

# 15: "Sim, e ..."


A regra mais importante na comédia de improviso é a situação "sim, e...".

Se outro ator disser: "Meu irmão está voando para Moscou", você não pode responder: "Você não tem um irmão". Isso nega o enredo.

Você tem que aceitar a premissa e dizer algo como: “Ele aceitou aquela oferta de trabalho do Kremlin?” Isso mantém a história em movimento.

Assim como na improvisação, a vida fica mais fácil quando você toma uma atitude positiva e em relação ao que quer que surja em seu caminho.

Se você está em uma festa e alguém pergunta “O que você faz?”, não recue: “Eu não venho a festas para falar sobre o trabalho”. Seu coração pode estar no lugar certo - você está tentando não pensar em trabalho fora do trabalho - mas esse tipo de resistência coloca uma parede e interrompe a conversa.

Em vez disso, esteja aberto ao que a pessoa está dizendo e desenvolva: “Ei, essa é uma ótima pergunta. Tudo bem, vou listar três coisas. Você precisa adivinhar.

Essa resposta “sim e...” leva a conversa para outro nível - e é muito mais divertido.

# 16: Fique no seu círculo de influência


Em "Sete Hábitos das Pessoas altamente eficazes", Stephen Covey explica esse conceito descrevendo dois círculos. Um é chamado seu círculo de preocupação. Dentro do seu círculo de preocupação está tudo o que você poderia estar preocupado, desde a guerra nuclear até se as meias combinam ou não.

O outro é o seu círculo de influência. Essas são as coisas que você pode influenciar diretamente, como se suas meias combinassem ou não.

Circulo da influência - 17 lições que podem melhorar suas finanças e sua vida

Para ser eficaz, concentre-se no seu círculo de influência. Por exemplo:


  • Você não pode controlar o mercado de ações, mas pode controlar seus investimentos.
  • Você não pode controlar o mercado de trabalho, mas você pode desenvolver habilidades, expandir sua rede e construir um bom estoque de dinheiro para ser financeiramente independente.
  • Você não pode controlar se a cura para a doença de Alzheimer for descoberta, mas você pode controlar se você contribui ou não para a causa.


Fique dentro do seu círculo de influência. Quanto mais você faz, maior o seu círculo de influência cresce.

# 17: O que é dito acontece (deseje)


Se você disser: "Não sou um bom investidor", adivinhe? Você não será.

Se você diz: "Eu não sou bom em matemática", você não será.

Se você disser “sou desajeitado em festas”, você será.

Nossas ações seguem nossas palavras, então tenha cuidado com as palavras que saem da sua boca.

É por isso que eu não acredito na afirmação: "Não posso pagar por isso". É contraproducente. Você pode pagar qualquer coisa - não tudo, mas qualquer coisa .

Claro, existem limites razoáveis. Você não pode comprar um foguete para Marte. Você não pode pagar sozinha a dívida nacional de Gana. Mas dentro da razão, você pode pagar qualquer coisa.
Você pode viajar para a Europa por seis semanas. Você pode comprar um trailer e cruzar o país. Você pode economizar para um pagamento inicial em uma propriedade alugada.

Tente isto:

Substitua "eu não posso" por "eu escolho não fazer".
Substitua "Eu não tenho tempo" por "não é uma prioridade".
"Eu não posso me dar ao luxo de viajar" é igual a "Eu escolho não viajar porque eu prefiro [X] - comer em restaurantes uma vez por semana, dirigir um carro de 5 anos em vez de um carro de 15 anos de idade etc ”

"Eu não tenho tempo para se exercitar" é igual a "Para mim o exercício não é uma prioridade."

Toda vez que você se pega dizendo (ou pensando) “eu não posso”, reformule essa ideia. Então pergunte a si mesmo se a nova afirmação ressoa com você. Suas ações refletem suas prioridades?

Se não, é hora de fazer uma mudança.

Aja!

by Paula Pant, Afford Anything

Receba por e-mail as atualizações dos Blogs de Finanças Estrangeiros clicando nesse link


...e, se gostou do texto, compartilhe-o usando o símbolo abaixo

Comentários